mania de escrever, de anotar, de desenhar…

Desde pequena eu sempre gostei de guardar o que eu sentia, o que eu fazia, tudo tudo tudo. Por isso, eu sempre tinha meus diários, caderninhos de anotação, cadernos de desenho, cadernos de tudo imaginável. E tudo isso me levou a uma coisa: uma caixa cheia de cadernos, uma caixa cheia de desenhos, outra cheia de fotos, outra cheia de cartas… Enfim.

Mas, por mais que a pessoa pense de vez em quando “meu deus quanta quinquilharia, vou jogar tudo fora” eu nunca faço isso. Porque tipo: não:

Acho que está entre as coisas mais nostálgicas e engraçadas ler meus diários antigos e ficar tipo “meu deus, como eu era besta, como eu me importava com umas besteiras”.

Tudo isso me faz pensar em como o que pode estar me preocupando tanto hoje, daqui a uns cinco anos pode ser que eu leia e morra de rir.

Mas não é só isso que eu guardo. Eu guardo tickets, ingressos, fotos, t u d o.

Enfim, eu sei que esse post foi BEM aleatório, mas eu só queria dizer pra vocês guardarem esses pequenos pedacinhos da vida de vocês, pois é algo muito especial.

Enfim, só isso 🙂

O caso de Maria Alice na mídia pernambucana

Queria compartilhar com vocês o texto que mais expressou o que eu penso sobre a cobertura jornalística de violências sexuais, especialmente em Pernambuco. Para quem não sabe do caso específico que está sendo tratado, é o caso de Maria Alice, garota que foi estuprada e assassinada por seu padrasto, o que gerou uma grande repercussão midiática, e, como esperado, também o tão comum toque de sensacionalismo.

Segue o link: http://ombudspe.org.br/analises/um-crime-uma-cobertura-sensacionalista-o-caso-maria-alice-na-midia-pernambucana/

Espero que vocês gostem!

Resenha: Persépolis, Marjane Satrapi

Persépolis foi de longe o livro que eu li mais rápido em 2014(até então), provavelmente pelo fato da história ser contada na forma de quadrinhos, o que torna a leitura mais leve e relaxante.

É uma autobriografia que conta a história de uma menina israelense que vê sua vida mudar quando um revolução transforma o Irã em uma república extremamente conservadora. Ela se vê, assim como as outras meninas, obrigada a usar véu para ir ao colégio, o que para ela foi a coisa mais marcante do início da revolução. Assim, por meio de quadrinhos extremamente bem humorados, e muitas vezes hilários, ela narra a sua trajetória desde criança até se tornar uma adulta independente.

Mostra como ela era inocente quando criança, tendo sonhos como o de ser profeta e como seus “conflitos interiores” era causados por coisas relativamente pequenas se comparadas com as preocupações de seus pais.

É um dos melhores livros que eu li esse ano, e eu tô realmente pensando em comprar (eu não tenho, eu peguei na biblioteca da minha escola), pois além da história ser envolvente e eu ter aprendido muito sobre a trajetória política e a cultura do Irã, a capa também é linda!

Concluindo: super indico e tô morrendo de vontade de ver o filme, mesmo achando que não tem como ser melhor que o livro!

Resenha: O Teorema Katherine, John Green

Oi genteee,

Hoje eu venho falar de um livro de John Green, o autor de A Culpa é das Estrelas, chamado O Teorema Katherine. Como quase todos os livro de John Green, gira em torno de um menino nerd, mas como isso é uma das coisas que eu adoro nos livro deles, não foi nenhum problema para mim.

Conta a história de um menino chamado Collin, um prodígio que por alguma razão desconhecida só se apaixona por Katherines, mas sempre leva um pé na bunda. Esse menino, depois de sua décima nona Katherine ter lhe dado um pé na bunda, é convencido por seu amigo Hassan a fazer uma road trip (uma viagem de carro). Desse forma eles acabam chegando em uma cidadezinha chamada Gustshot, onde conhecem uma menina chamada Lindsey e se hospedam na casa dela. Lá ele resolve criar um teorema que preveria a durabilidade dos relacionamento. O livro fala basicamento do teorema e das aventuras deles em Gutshot. Super indico, como todos os livros de John Green, pois eu sempre morro de rir enquanto leio (até me sinto mal por rir da desgraça alheia, tipo câncer, morte, ataque de abelhas…)

Bom gente, é isso! Beijos =*

Pequena paixão por casacos…

Como eu ainda estou no colégio, e lá tem ar-condicionado, o que deixa o lugar em que eu sento super frio, eu tenho a necessidade de ter casacos, o que me fez amar eles! Então esse post vai ser tipo uma wishlist de casacos que eu vi e achei super fofos e fiquei morrendo de vontade de ter um, mas eu não posso, pois a cidadezinha onde eu moro é um inferno de tão quente e não faria o menor sentido comprar vários casacos para usar apenas no colégio. Então, pra vocês que moram em cidades frias, eu mostro os meus casacos favoritos!

Eu vi esse casaco no tumblr e adorei, pois ele define a minha vida!

Untitled

Eu achei esse muito fofinho e diferente, minha cara!

Amei essa fraseeee!

Achei esse muito engraçado!

Esse é definitivamente e meu favorito! Me lembra o céu, que de alguma forma estranha lembra a minha infância…

Me apaixonei por esse, principalmente agora com o meu recente sonho de visitar Tokyo depois de ter visto o vlog da Bethany Mota, minha youtuber favorita ❤

Pronto gente, esse são os meus casacos dos sonhos, espero que tenham gostado!!

 

Resenha: Senhora, José de Alencar

Oi gente, finalmente voltei! Hoje eu venho falar de um clássico da literatura brasileira, o livro Senhora, do autor José de Alencar. Pra ser sincera, como a maioria das pessoas, eu nunca fui muito com a cara dos livros que o colégio passa, não porque são chatos, porque nem sempre são, mas só porque são do colégio mesmo.

Esse livro de um autor romântico, mais especificamente uma prosa urbana (alguém prestou atenção na última aula de literatura), e é um livro meio bestinha. Ele tem um tema legal, mostra como as pessoas se corrompem por dinheiro, mas que ao mesmo tempo elas podem se redimir através do amor e também retrata a vida na sociedade fluminense naquele época, que tem como foco o romance de Aurélia e Fernando. Minha personagem favorita é Aurélia, a principal, porque eu a vejo como uma moça forte, inteligente e com um pensamento além do das moças da sua época. Ela consegue ser linda e bem-sucedida ao mesmo tempo, o que é meio que o sonho de todas as mulheres, haha.

O livro não é tipo super incrível, mas é legalzinho. Não tem grandes acontecimentos, é uma história bem calminha, o único problema que eu tive foi que me deu muito sono, mas fora isso é legal.

Beijos =*

Resenha: Baby Lips Intense Care, Maybelline

Oi gente! Hoje eu venho falar deu] um hidratante labial que fazia um tempão que eu queria comprar, já tinha até desistido, mas ocasionalmente eu encontrei ele pra vender numa lojinha daqui da minha cidade.  Ele é da linha Baby Lips, da Maybelline, e eu não pesquisei antes de escolher qual eu queria especificamente, já que são vários, eu só cheguei já e escolhi pelo nome, que retrata tudo que eu quero: Cuidado Intensivo. Uma outra razão para eu ter escolhido ele foi o fato de que ele é incolor, o que não atrapalha quando eu quero passar um batom clarinho por cima.

ImagemUma coisa que eu adorei nele é que você passa e fica com a sensação de “eu acabei de passar hidratante labial” por um tempão, porque a sua boca fica supeeer macia!

Eu adorei e super indico!

The Beautiful Person

Pra ser sincera, eu nunca dei muita bola pra o cinema europeu, mas enquanto estava lá pelo tumblr eu vi essas fotos que estão aqui embaixo e acabei querendo ver o filme, que na realidade eu amei!

Ele conta a história de uma menina chamada Junie que a mãe acaba de morrer e ela muda de escola e vai morar com o seu primo, despertando o interesse de vários meninos, inclusive seu professor, Nemours, e seu colega, Otto. O filme consegue mostrar elementos da paixão e consegue dar um tom de nostalgia. É um filme muito bom, mas bem longe de ter um final feliz.

Vou deixar o trailer aqui pra vocês! Beijos =*